in

Barista: entenda como funciona a área

Barista entenda como funciona a área

O termo barista tem se popularizado cada vez mais no Brasil, com o aumento de cafeterias especializadas que oferecem um serviço único. Entretanto, muitas pessoas acreditam que o termo se refere apenas a pessoa que serve o café, embora existam muitas outras camadas.

Por exemplo, um kit café da manhã ganha um efeito todo especial quando é acompanhado por um drink feito por um profissional da área do café.

De fato, os baristas têm como função o preparo de drinks com café, mas o trabalho se expande por toda a experiência dentro da cafeteria, desde a montagem de cardápio, estudar e conhecer cada um dos ingredientes, bem como tornar a experiência algo único.

Em um restaurante pet friendly, por exemplo, um barista pode apresentar um conceito novo após a refeição.

Ademais, para se tornar um barista, você precisa ser um apaixonado por café. Isso porque o estudo vai muito além de como preparar uma boa xícara, tendo diversos elementos de pesquisa como:

  • Impacto do mercado;
  • Modos de preparo;
  • Receitas;
  • Tipos de café.

Em resumo, um barista é quase um professor na arte do preparo de cafés. O termo teve origem nos Estados Unidos, para identificar a pessoa responsável pelas máquinas de cafés expressos.

Por exemplo, uma empresa que faz Buffet de massas para empresas pode oferecer como um diferencial os serviços de um barista, com cafés especiais que certamente agradarão a todos.

A profissão surgiu a pouco tempo, mas tem ganhado muita força e relevância com o conceito da apreciação de diferentes tipos de café. O aumento no consumo foi um efeito global, impulsionando o ofício.

Como se tornar um barista?

O primeiro passo para se tornar um barista é procurar um curso especializado. Diversas instituições formam baristas todos os dias, então é fundamental que você consiga compreender as habilidades e capacidades básicas da profissão.

Você pode se tornar parte de uma empresa de buffet para festa de casamento simples, servindo um café especial durante o evento.

Em um curso, você aprenderá as habilidades básicas necessárias para a execução do serviço, como o manuseio de todos os equipamentos necessários para a profissão, como o moedor de grãos, diversos tipos de preparo e a operação de uma máquina de café.

Até mesmo detalhes como a decoração de xícaras deve ser aprendido neste tipo de curso, uma vez que a apresentação é parte fundamental do trabalho de um barista.

Saber como harmonizar o café é outra das qualidades que você pode aprender em um curso. Identificar qual tipo de moagem combina melhor com um bolo caseiro artesanal pode fazer a diferença em uma composição.

O profissional deve também conhecer todos os detalhes de sua profissão. Isso inclui os principais tipos de grãos no mercado interno e de exportação, as moagens e torras, além dos formatos de preparo das bebidas.

Esse tipo de conhecimento pode ser um grande diferencial, pois torna o ato de tomar café uma experiência para um cliente curioso, que tenha interesse em conhecer mais sobre o produto que está consumindo.

Como se tornar um barista?

O conhecimento profundo das técnicas e produtos disponíveis para o trabalho permite que um barista se destaque, uma vez que parte da profissão envolve diretamente o atendimento ao cliente.

Surpreender um consumidor com uma experiência única deve ser o objetivo de qualquer profissional da área, criando receitas únicas e se inteirando das novidades do mercado para oferecer um produto de qualidade sem igual.

Alguns baristas se especializam em misturar bebidas alcoólicas com café, transformando um simples drink, unido com um vinho góes suave em uma experiência completamente diferente.

Todo esse atendimento deve ser feito com muita cortesia e simpatia, tornando o atendimento ao público parte fundamental do trabalho.

Embora cursos de baristas ofereçam técnicas e práticas de atendimento ao público, esse tipo de experiência só é realmente conquistado quando você está efetivamente no trabalho, lidando com o público.

O mercado de trabalho, embora em constante ascensão, tem recebido cada vez mais profissionais qualificados. Por isso, não basta só preparar um expresso perfeito para garantir uma vaga em uma boa cafeteria.

É preciso conhecer cada detalhe da profissão, tendo sempre a criatividade para inovar e dar aos clientes uma experiência única a cada xícara.

Veja os principais drinks com café

Uma das principais especialidades do barista é a de realizar diversos preparos com café. Isso vai desde os tradicionais até idéias mais inovadoras, como veremos a seguir

1 – Expresso Tradicional

Este método faz parte do dia a dia da maioria dos brasileiros. Muitas pessoas consomem diariamente o café expresso, o que faz com que ele não seja considerado um drink.

Esse tipo de café dá muita energia para quem o consome, então é comum ver pessoas que trabalham com trânsito, como motoboy para delivery, consumindo-o antes de iniciar seu dia de trabalho.

Entretanto, esse tipo de bebida requer uma série de atenções especiais e maquinário adequado para ser realizado. A base da bebida é um formato rápido realizado sob pressão.

Entretanto, o café expresso é uma bebida que deve ser consumida imediatamente. Se o cliente esperar demais para tomar, o creme se dissipa, perdendo o equilíbrio em seu preparo e ficando mais ácido.

2 – Ristretto e Lungo

Estas bebidas são variações na preparação de um café expresso. No caso do ristretto, a extração é mais curta, criando uma bebida menor, mais concentrada e com pouca doçura, sendo mais ácida.

Já o Lungo, por ficar mais tempo sendo extraído, acaba gerando uma bebida maior e muito mais amarga. Por isso, recomenda-se que esse tipo de drink seja feito com cafés especiais, para não ficar com um gosto desagradável.

3 – Americano

O café americano recebe esse nome por retratar o momento em que os soldados americanos entraram em contato com as cafeterias italianas. 

Por considerarem o expresso forte muito amargo, pediam para que se adicionasse um pouco de água quente à bebida, diminuindo o corpo do café e dissipando a crema.

Dessa forma, você tem um café que ainda mantém o sabor, mas é bem mais fraco que o café tradicional. É ideal para pessoas que não estão acostumadas a tomar café.

4 – Macchiato

O macchiato surgiu da necessidade de baristas italianos em servirem diversas pessoas ao mesmo tempo. Era comum que se pedissem vários expressos, e algumas pessoas solicitassem um pingo de leite nele.

Como o pingo de leite desaparece quando derrubado na bebida, não é possível diferenciar os cafés que tinham leite e os que eram puros. Portanto, os profissionais começaram a colocar um pouco de espuma sobre o café para diferenciá-lo.

Esse conceito acabou agradando o público, que começou a pedir pelo macchiato – italiano para manchado. Isso significava que a pessoa queria um expresso mais doce, com menos força.

Aos poucos surgiram variações do macchiato, com a utilização de outros itens, como chantilly e sorvete.

5 – Mocha

Na busca por uma bebida mais doce, mas sem perder o sabor único do café, alguns baristas começaram a experimentar essa junção. A grande primeira variação foi a adição de leite na bebida, que acabou se tornando um fator comum para muitos amantes do café.

Entretanto, uma das principais mudanças, que conquista público no mundo inteiro, é a adição de chocolate ao café. O gosto inconfundível do Mocha o torna uma das bebidas mais consumidas no mundo.

Você pode criar Mocha com qualquer tipo de chocolate, colocando uma dose líquida ou mergulhando uma barra de chocolate e deixando-a derreter. 

Aqui no Brasil, existem variações de Mocha com calda de caramelo e com creme de avelã, dando um gosto local à bebida.

5 - Mocha

6 – Cappuccino

O cappuccino é uma das mais tradicionais variações do café, e é buscado por pessoas no mundo inteiro. Apesar do nome remeter aos monges Capuchinhos, a bebida não tem origem italiana.

Trata-se de uma bebida de origem austríaca, que se compõe de café filtrado com leite ou creme até alcançar o tom marrom, encontrado comumente nas vestes tradicionais daqueles monges.

Aqui no Brasil, opta-se pelo uso de chocolate ou canela em pó na receita, que é uma mistura de café, leite ou creme e espuma. Alguns outros países também adotaram a prática para tornar o sabor diferenciado.

7 – Flat White 

Nos anos 90, muitas cafeterias exageravam no uso da espuma para fazer seus cappuccinos, o que gerou a reclamação de muitos clientes. Começou-se então a pedir cafés com leite sem espuma, originando-se o Flat White.

Com o avanço de torras especiais de café e diferentes texturas de leite, criou-se uma nova bebida, que é mais forte que o latte e mais cremoso que o cappuccino. Assim, o Flat White, que se originou na Austrália, ganhou o mundo com diversos fãs.

Considerações finais

A jornada para descobrir novas receitas, drinks especiais e outras variedades de café está na carreira de qualquer barista, que deve buscar sempre aprimorar seu trabalho e apresentar conceitos novos para conquistar uma quantidade maior de consumidores.

Muitas vezes, o café se harmoniza bem com outras bebidas, como um bom vinho francês. Cabe ao barista identificar quais são os melhores meios de consumi-lo.

Entretanto, muitas pessoas querem que a experiência de tomar um café ainda seja similar ao que estão acostumadas. Por isso, usar as bases como referência para suas novas criações é fundamental.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Odontologia entenda os benefícios da profissão

Odontologia: entenda os benefícios da profissão

6 dicas de vendas online

6 dicas de vendas online