in

Como contratar um síndico profissional pode afetar a vida dos condôminos?

Como contratar um síndico profissional pode afetar a vida dos condôminos

Com a grande quantidade de condomínios residenciais e comerciais existentes no país, um dos cargos que possui uma demanda crescente no mercado é o de síndico profissional, serviço essencial para a gestão do local. 

Quem sempre morou em um conjunto de prédios ou de casas sabe que existe uma série de demandas no espaço, que precisam ser solucionadas para a tranquilidade e segurança de todos os moradores. 

De acordo com um levantamento feito em 2017 pela ABRASSP (Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais), cerca de 68 milhões de pessoas moram em condomínio no Brasil. 

Devido a isso, existem mais de 421 mil síndicos ou síndicas administrando condomínios. Outro dado relevante mostra que a movimentação financeira anual nesses locais gira em torno de 165 bilhões de reais. 

A quantidade de profissionais envolvidos no cuidado do espaço pode variar conforme o tamanho do espaço e as necessidades específicas de cada conjunto. 

Assim como os porteiros podem ser responsáveis por receber a correspondência, uma entrega de remédio ou liberar e barrar os visitantes, há também jardineiros, profissionais de limpeza e o síndico, responsáveis por manter a gestão do condomínio em ordem. 

Para administrar as exigências diárias de um espaço grande e que possui muitos moradores, contar com um profissional responsável por estar à frente para a solução de problemas é obrigatório, gerenciando diversas necessidades internas. 

Nesse contexto entra a importância do síndico, de modo que entender melhor a diferença entre a contratação profissional ou a eleição de um condômino para o cargo e os atributos necessários é essencial para uma escolha assertiva. 

Se você quer saber mais sobre o assunto, siga na leitura deste conteúdo e conheça as vantagens de contar com um síndico profissional no quadro de funcionários do condomínio.

Quais as diferenças entre um síndico condômino e um profissional?

Quem tem a intenção fazer a impressão digital folder precisa elaborar o conteúdo que vai compor o panfleto. 

Caso a pessoa tenha experiência com a elaboração de layout, ela pode facilmente desenvolver o dela, mas também é possível contratar um profissional do ramo. 

Ambas as opções existem para que um condomínio residencial possua o seu síndico. Mesmo que por muito tempo a escolha dependia apenas da eleição de um morador para assumir essas responsabilidades, hoje é possível contratar um síndico profissional. 

Não à toa, é cada vez mais comum que se recorra à contratação dele que, diferentemente de um morador, terá a função como o seu trabalho principal, precisando cumprir adequadamente cada um dos itens mencionados. 

Se há a necessidade de contratar os serviços de uma empresa para a limpeza de fachada predial, o profissional cumprirá esse requisito pedindo orçamentos e passando para todos os moradores, posteriormente, em uma assembleia, para a decisão final. 

Além disso, um morador que queira se tornar síndico não precisa passar por uma formação na área para assumir o cargo, enquanto um candidato a vaga certamente terá buscado capacitação e ter experiência para que possa ser escolhido em uma entrevista de emprego. 

Por fim, outra diferença entre um condômino e um profissional é o fato de que este se torna um prestador de serviços para o local, o que torna o seu vínculo com o condomínio muito mais formal e bem-estabelecido. 

Quais as diferenças entre um síndico condômino e um profissional

Quais atributos e características um síndico profissional deve ter?

Como em qualquer segmento comercial, é necessário ter habilidades e conhecimentos técnicos e teóricos na área em que se vai atuar. 

Uma empresa que oferece frete para moto, por exemplo, vai buscar seus colaboradores levando em consideração a CNH do motociclista e possíveis experiências que ele já possua no setor, de maneira que ela tenha a certeza de ter uma equipe devidamente capacitada. 

Para a contratação de um síndico profissional isso não é diferente. É indispensável que ele conheça o cargo que será exercido, possua afinidade com o trabalho, tenha experiência e disponibilidade para atuar. 

Afinal, entre as principais atribuições de um síndico é possível elencar:

  • Administrar o condomínio;
  • Gerenciar os fundos de reserva;
  • Fiscalizar a inadimplência;
  • Acompanhar ações judiciais do condomínio;
  • Lidar com as demandas dos moradores; 
  • Mediar conflitos;
  • Organizar obras e manutenções;
  • Alinhar as reuniões de assembleia; 
  • Garantir a notificação de todos os moradores;
  • Coordenar a equipe de funcionários;
  • Organizar e preservar áreas comuns.

Justamente porque a demanda é intensa, um morador que possua outra atividade externa pode ter dificuldades em assumir as responsabilidades impostas no gerenciamento do condomínio. 

Enquanto isso, um síndico profissional se dedicará totalmente ao trabalho no local, de maneira que todo o seu período comercial será dedicado exclusivamente a prestar o atendimento necessário para o prédio, garantindo o bem-estar geral dos moradores. 

Por isso, além de cumprir as atribuições mencionadas acima, também é importante que o síndico possua características compatíveis com o cargo, como conhecimentos gerais de administração, de finanças e de legislação. 

Isso porque o gerenciamento inclui o cuidado com os funcionários prestadores de serviço ou fixos do condomínio. Entender de leis trabalhistas, por exemplo, pode ser fundamental nesse processo. 

Do mesmo modo, um morador pode ir até o síndico para registrar a necessidade de manutenção em um corrimão de parede, o que implica em uma capacidade de avaliar o problema e tomar providências de maneira rápida. 

Outro ponto importante da rotina é o atendimento aos condôminos. Nesse sentido, é indispensável ter facilidade em lidar com várias pessoas, conseguindo interagir de modo apropriado, principalmente em dias mais atribulados. 

Planejamento, iniciativa e organização também são elementos fundamentais da profissão. Afinal, se há a necessidade de realizar uma pequena reforma no local, evitar transtornos e dificuldades na mobilidade dos proprietários deve ser a prioridade do síndico. 

Para tanto, ele deve estar sempre atento, sinalizando áreas perigosas e contratando serviços essenciais, como o de retira entulho e de limpeza de obras. 

Por fim, vale ressaltar a importância de ser proativo, identificando possíveis problemas no espaço e convocando os moradores para reuniões periódicas, mostrando pontos passíveis de melhorias e as soluções indicadas para tal. 

Nesse elemento também entra a capacidade de mediar possíveis divergências entre os moradores, seja nas assembleias internas ou no dia a dia, por problemas com excesso de barulho, por exemplo. 

As vantagens de contratar um síndico profissional

Se as experiências anteriores mostraram que o condomínio precisa de um síndico profissional, conhecer as vantagens de uma contratação nesse nível é fundamental. As principais podem ser conhecidas a seguir.

1. Profissional com qualificação

As demandas internas de um condomínio vão muito além da instalação de cancelas automáticas na entrada ou saída do prédio. 

Sendo assim, contar com um profissional que possua qualificação é a maneira mais assertiva de ter qualidade no serviço diário. 

Já que é necessário saber sobre finanças, administração, gestão de pessoas e resolução de conflitos, certamente ter um síndico devidamente habilitado para o cargo pode evitar uma série de transtornos no local. 

1. Profissional com qualificação

2. Uso de ferramentas apropriadas

Um bom síndico sabe que a administração da rotina de um condomínio depende do uso de ferramentas que otimizem e agilizem o seu trabalho. Por isso, é fundamental ter conhecimento de softwares e outras soluções que tornam o trabalho mais produtivo. 

Aplicativos para cotação de iluminação para área de piscina, planilhas financeiras e administração de um grupo de contato podem ser essenciais para melhorar o atendimento aos moradores.

3. Gestão transparente

O síndico profissional precisa garantir que a sua gestão seja o mais transparente possível, oferecendo a todos os residentes do condomínio um acesso direto a entradas e saídas de valores. 

Para isso, muitos já utilizam plataformas específicas para essa função, onde cada morador pode acompanhar de maneira individualizada todos os investimentos e a administração do caixa do condomínio. 

4. Planejamento de atuação

Um síndico profissional sabe da importância de ter um planejamento para cada ação que precisa ser tomada no espaço. 

Portanto, é possível ter uma visão ampla do curto, do médio e do longo prazo e administrar quaisquer atividades conforme a agenda geral dos prédios e a disponibilidade de recursos financeiros para isso. 

Considerações finais

Atuar como síndico profissional não é uma tarefa simples, e um morador que já tenha sido eleito em uma assembleia sabe o quão verdadeira é essa afirmação. 

Por isso, a solução mais apropriada para qualquer condomínio envolve a contratação desse profissional, que estará devidamente habilitado para a sua área. 

Isso porque é possível encontrar cursos específicos para essa qualificação, de modo que é cada vez mais comum encontrar síndicos preparados para encarar os desafios que o cargo exige de maneira assertiva e otimizada. 

Portanto, não deixe de buscar por profissionais que já tenham realizado a sua formação em um curso devidamente organizado, garantindo os conhecimentos necessários para uma atuação completa neste setor.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Você gostou?

0 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Comments

comments

Como combater o vício em drogas

Como combater o vício em drogas?

Chef de cozinha por onde começar na profissão

Chef de cozinha: por onde começar na profissão?