in ,

O que é a educação inclusiva?

O que é a educação inclusiva

Você sabe o que é e qual a importância da educação inclusiva para a sociedade? É com ela que se alcança melhores condições de formação e de atuação para as pessoas com deficiência. 

Para conhecer melhor o cenário, é importante saber algumas estatísticas divulgadas: segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), em um levantamento feito em 2011, cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo apresentavam algum tipo de deficiência. 

Essa informação mostra que, a cada sete pessoas, uma apresenta algum tipo de limitação, seja ela física ou intelectual.

De acordo com a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), 150 milhões de crianças têm algum tipo de deficiência. 

Desse número, apenas 60% completa os seus estudos em países desenvolvidos. Já nos subdesenvolvidos, essas informações mudam: 45% dos meninos e 32% das meninas conseguem concluir o ensino primário. 

No Brasil, o censo de 2010 revela que 24% de toda a população apresentava algum tipo de deficiência, o que equivale a cerca de 46 milhões de pessoas. 

Dados como esses só mostram o quanto a educação inclusiva é um elemento essencial para toda a sociedade, e deve ser estimulada para que possa contribuir positivamente para a formação de cada indivíduo, de acordo com as suas necessidades específicas. 

É com uma boa educação e capacitação que um profissional que deseja atuar com outsourcing de impressão em sp, por exemplo, poderá ter um melhor desempenho, independentemente das suas limitações. 

Por isso, saber o que é a educação inclusiva e como ela pode ser importante é fundamental para que ela seja incentivada e promovida de modo cada vez mais amplo e acessível. 

Quer saber mais sobre o assunto? Então siga na leitura deste artigo. 

Entenda a educação inclusiva

A educação é um aspecto importante para qualquer pessoa. Por isso, ela é valiosa para a sociedade, permitindo o desenvolvimento de cada cidadão, tanto em termos humanos, quanto profissionais. 

O plano nacional de educação (PNE) estabelece que a educação inclusiva tem foco no atendimento a estudantes que apresentam:

  • Altas habilidades;
  • Transtornos;
  • Deficiências intelectuais;
  • Deficiências físicas.

A educação inclusiva trata-se de inserir as pessoas com deficiência da maneira mais natural possível dentro do ensino regular, justamente para que se possa trabalhar uma série de frentes.

Enquanto o aluno com deficiência consegue usufruir de uma estrutura completa para o seu aprendizado, os professores adquirem novos métodos de ensino e os alunos aprendem a conviver com a diversidade. 

Nesse caso, pode-se perceber mais facilmente o quanto a educação inclusiva é um elemento benéfico para todos.

Assim, ela se mostra indispensável tanto para as instituições de ensino quanto para as empresas de diversos segmentos, sejam elas especializadas em conserto de empilhadeira ou em call centers, nos programas de treinamento de funcionários. 

Entenda a educação inclusiva

A importância da educação inclusiva em escolas e empresas

A educação inclusiva busca meios de promover uma maior interação social e de ampliar os possíveis horizontes do estudante, para que ele possa ganhar maior autonomia e desenvolver a capacidade de realizar diversas atividades de maneira independente. 

Ou seja, mais do que aprender a ler ou escrever, a educação inclusiva é uma ferramenta capaz de ajudar uma pessoa com deficiência a trabalhar com produção de eventos ou com qualquer outra atividade que seja interessante, com a capacitação necessária. 

Nesse sentido, é possível perceber que a instituição de ensino, seja ela a nível presencial ou online, assim como o estabelecimento no qual o trabalhador está exercendo as suas competências, é um dos ambientes onde o contato social dele é ampliado. 

Assim, será nesses locais que ele terá maior acesso a diferentes crenças, valores e métodos, que são experiências ricas para o desenvolvimento pessoal e profissional, ajudando na formação do caráter. 

Ao serem inseridas nesses ambientes, as pessoas com deficiência e todos os demais envolvidos conseguem ampliar os seus horizontes, trabalhando a paciência, a tolerância e o respeito ao próximo, contribuindo para uma sociedade mais justa. 

Sentindo-se inserido dentro de um contexto, o desenvolvimento pessoal e emocional também são beneficiados, ajudando na condução de uma turma capacitada e flexível. 

Aspectos como a diversidade, a adaptação e colaboração, ajudam na capacidade de gerenciamento de emoções, tal como acontece com um registro gaveta 50mm, que é capaz de controlar o fluxo de saída de um encanamento. 

Pessoas que sabem lidar com os seus limites podem ser mais tolerantes e empáticas com os demais, tendo maior desenvoltura pessoal e adquirindo hábitos humanos mais enraizados. 

Dessa forma, até mesmo um problema como o bullying se torna menos presente em ambientes inclusivos, sejam eles de aprendizado ou profissionais. 

Como incentivar a inclusão?

As instituições de ensino estão sempre em busca de soluções que possam ser inseridas no seu contexto e que possibilitem que um aluno absorva melhor o que está sendo passado 

No mesmo sentido, as empresas devem buscar novas técnicas para que os seus profissionais atuem em diversas áreas, como no manuseio de uma serra de madeira, de modo mais prático. 

Para isso, pode ser preciso investir em treinamentos e capacitações, que vão possibilitar aos funcionários com deficiência uma melhor desenvoltura no trabalho. 

Nesse sentido, a educação inclusiva vai muito além da escola, sendo importante no ambiente profissional para a qualificação dos colaboradores com deficiência e dos demais trabalhadores do local.

1. Palestras de conscientização

As palestras de conscientização são ótimos recursos para tornar o tema da inclusão mais didático e praticável por todos. 

Assim, uma palestra lúdica pode ser o modo mais simples de transmitir aos alunos de uma escola o conhecimento necessário para que todos consigam lidar com os desafios presentes na rotina do espaço. 

No ambiente comercial também é importante investir em apresentações que demonstrem o quanto a colaboração e o conhecimento são essenciais para um estabelecimento mais inclusivo.  

2. Adaptação do ambiente

É indispensável que o espaço que receberá as pessoas com deficiência seja rapidamente adaptado, oferecendo uma estrutura completa e pronta para proporcionar maior conforto para todos.

Alguns exemplos disso são a disponibilização de rampas para facilitar a locomoção e o uso de sinalização acessíveis, como o piso tátil, etiqueta escolar menina em Braille ou placas de identificação de áreas especiais. 

Além disso, há também a possibilidade de inserir equipamentos e outros dispositivos tecnológicos que foram desenvolvidos para a promover o aprendizado de modo especial.

Para as empresas, o cenário é bastante semelhante, garantindo que os profissionais com deficiência tenham maior facilidade no acesso e na utilização da estrutura física do estabelecimento. 

3. Modificação de grade curricular

O desempenho de um aluno com deficiência pode ser diferente do restante da turma, exigindo que um currículo específico de aprendizado seja elaborado, de modo que a capacitação e o aprendizado do estudante possam ser integrais. 

Em muitos casos, o professor deverá ter uma formação específica em educação inclusiva, já que é com esse tipo de conhecimento adquirido que ele obterá subsídios para o desenvolvimento de um método apropriado. 

Assim, um plano de aula e uma grade curricular de maior assertividade poderão ser elaborados, possibilitando o aumento cognitivo e o desenvolvimento de novas competências para a turma como um todo.

4. Cursos e treinamentos extras

A educação especial não foi de todo suprimida ao ser incluída no ensino regular. 

O AEE (Atendimento Educacional Especializado) é um exemplo disso, já que ele pode ser cursado no contraturno, como reforço para os alunos com deficiência que precisam de maior apoio.

De fato, para que os estudantes com deficiência possam ter um maior aproveitamento do conteúdo que foi transmitido em sala de aula, assim como em um curso online. 

Eles precisarão de maior atenção, de modo que os professores dêem maior suporte sempre que necessário. 

Até porque, em geral, um mesmo conhecimento pode ser adquirido pelos alunos com métodos de ensino diferentes, mostrando que a educação inclusiva deve ser pensada para oferecer o que o estudante precisa para aprender integralmente um assunto. 

Esse mesmo cenário pode ser visto em uma fábrica de pasta executiva feminina que oferece vagas para profissionais com deficiência. 

Um curso extra e treinamentos periódicos podem ser oferecidos para esses profissionais, para que eles possam ganhar maior domínio sobre as ferramentas que serão utilizadas no dia a dia da empresa e consigam assim desempenhar o seu cargo com excelência.

4. Cursos e treinamentos extras

Considerações finais

A educação inclusiva vai muito além dos conteúdos que são aprendido na escola, tanto no ensino infantil, quanto no fundamental ou médio. 

É cada vez mais comum que surjam no mercado capacitações desenvolvidas especialmente para que os professores e os gestores de uma empresa, que lidam com pessoas com deficiência, possam desempenhar suas funções de modo otimizado. 

Isso quer dizer que eles poderão oferecer todo o amparo que o aluno ou colaborador com deficiência precise para concluir as suas atividades, e dessa maneira permitam um desenvolvimento autônomo cada vez maior. 

Assim, eles contribuem para que ações simples como a compra de um envelope personalizado a4 e a resolução de uma equação de segundo grau possam ser feitas com assertividade por pessoas com deficiência.

Por isso, mais do que aplicada, a educação inclusiva deve ser incentivada e se tornar cada vez mais presente em escolas e empresas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências: 

https://nacoesunidas.org/acao/pessoas-com-deficiencia/#:~:text=Segundo%20a%20OMS%2C%20com%20dados,para%20a%20invisibilidade%20dessas%20pessoas.&text=Entre%20as%20pessoas%20mais%20pobres,t%C3%AAm%20algum%20tipo%20de%20defici%C3%AAncia.

https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cpd/documentos/cinthia-ministerio-da-saude

https://fia.com.br/blog/educacao-inclusiva/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação inclusiva passo a passo sobre como aplicar

Educação inclusiva: passo a passo sobre como aplicar

O que faz um auxiliar de creche

O que faz um auxiliar de creche?