in , , ,

Saiba o que pode levar à obesidade e como identificar

Saiba o que pode levar à obesidade e como identificar

A obesidade é um problema que afeta mais da metade da população brasileira adulta, e esse número só tem aumentado nos últimos anos.

Trata-se de um acúmulo excessivo de gordura corporal e, para identificar seu diagnóstico, é utilizado o parâmetro IMC (índice de massa corporal).

Ele é calculado dividindo-se o peso do paciente por sua altura elevada ao quadrado. Este padrão é estabelecido e utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que identifica o peso normal quando o cálculo está entre 18,5 e 24,9.

Uma pessoa é considerada obesa quando seu IMC encontra-se a partir de 30. 

A partir disso, ela se encaixa em um fator de risco que pode desencadear uma série de doenças, como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, entre outras.

É importante ressaltar que várias são as causas da obesidade, como fatores genéticos, maus hábitos alimentares, disfunções endócrinas e até o sedentarismo.

Independentemente de qual seja o fator, é importante estar atento e controlar o peso para não chegar a um volume alarmante de gordura. É um cuidado importante com a saúde que todos devem ter.

Pensando nisso, neste artigo, vamos falar sobre quais são as causas da obesidade, medidas de combate, o que pode levar uma pessoa a ter a doença, além do preparo que os profissionais precisam ter para tratar um obeso e como devem se capacitar.

Principais causas da obesidade

Diversas situações podem levar uma pessoa a ser obesa, como a má alimentação e falta de exercícios físicos. No entanto, ela também é consequência de outros fatores. E dentre os principais estão:

1 – Predisposição genética

Predisposição genética tem tudo a ver com obesidade, assim como outras características de pessoas de uma mesma família.

Por exemplo, podemos observar que, na maioria das vezes, as mulheres da família de uma paciente que colocou silicone nos seios também possuem mamas menores.

Com a obesidade é a mesma coisa, pois se uma criança é filha de pais obesos, ela tem cerca de 80% de chance de desenvolver o mesmo problema. Em crianças em que apenas um dos genitores obeso, as chances são de 40%.

Fatores ambientais também influenciam muito o aumento de peso, no entanto, é mais difícil para um adolescente ou adulto manter-se no peso ideal, porque ele possui mais células que armazenam gordura.

2 – Alterações hormonais

É raro que uma doença hormonal seja a causa exclusiva de obesidade em uma pessoa. Cerca de 10% das pessoas que possuem estas doenças podem se tornar obesas, sendo elas:

  • Síndrome hipotalâmica;
  • Síndrome de Cushing;
  • Hipotireoidismo;
  • Síndrome dos ovários policísticos;
  • Hipogonadismo;
  • Deficiência de hormônios de crescimento;
  • Insulinoma;
  • Hiperinsulinismo.

No entanto, também é preciso considerar, tanto por pessoas que vão passar por processos de rejuvenescimento do rosto, quanto por aquelas que não realizam esses procedimentos, que toda pessoa obesa possui alterações hormonais.

Mesmo assim, nem sempre essa alteração é a causa da obesidade, isso porque com a redução do peso, essas alterações podem ser curadas sem o uso de medicação.

Principais causas da obesidade

3 – Distúrbios emocionais

Muitos acontecimentos podem causar distúrbios emocionais, tais como a perda de familiares, perda de emprego, notícias ruins e outras situações.

Elas levam a um sentimento de tristeza profunda que pode evoluir para uma depressão. Este quadro favorece o mecanismo de recompensa, que está atrelado ao prazer em comer.

A pessoa, então, se sente triste na maior parte do tempo, sem energia para se exercitar, queimar as calorias e gorduras que ingeriu em um momento de angústia, e comer torna-se um prazer para se livrar das tristezas.

4 – Remédios que engordam

Alguns tratamentos, como o tratamento capilar a laser não exige o uso de medicamentos que engordam, no entanto, outros destinados a diversos problemas, usam remédios hormonais e corticóides que favorecem o ganho de peso.

São medicamentos que incham e aumentam o apetite, como no caso da insulina, e que devem ser acompanhados pelo médico.

Medidas de combate à obesidade

A obesidade é considerada um problema de saúde crônico, que requer esforços contínuos para que possa ser contida. É uma ameaça para a saúde, uma vez que pode desencadear doenças como:

  • Diabetes tipo 2;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Cancro;
  • Osteoartrites;
  • Dislipidemias;
  • Hipertensão arterial.

É considerada pela OMS como uma epidemia, além de afetar a longevidade e a qualidade de vida do obeso. Existem dois tipos de obesidade, e ambos podem fazer tratamentos como microagulhamento para melasma.

No entanto, é importante conhecê-los, sendo o ginóide mais comum nas mulheres e com acúmulo de gordura da cintura para baixo. É um tipo de que desencadeia muitos problemas de articulação.

Já o andróide é mais comum nos homens, com acúmulo de gordura da cintura para cima e traz riscos maiores de problemas cardiovasculares.

Seja qual for o tipo da obesidade, existem algumas práticas que ajudam a combater o problema, como:

1 – Seguir a roda dos alimentos

As proporções recomendadas pela “roda dos alimentos” garantem uma alimentação equilibrada e bastante variada. É rica em legumes, cereais integrais, frutas e peixes.

Retira os alimentos com açúcar e gorduras saturadas, comuns em alimentos processados, carnes vermelhas, manteiga e laticínios.

2 – Conhecer os alimentos e seus nutrientes

Alguns procedimentos estéticos, como uso de creme para clarear a pele são fundamentais, mas é ainda mais importante saber que tipo de nutrientes estamos enviando para o organismo.

Além disso, deve-se compreender que alguns são mais calóricos do que outros, sendo importante detectar as calorias escondidas nos alimentos pré-cozidos ou processados industrialmente.

Profissionais indicados para o tratamento da obesidade

Existem diversos profissionais que são indicados para o tratamento de combate à obesidade. Ele vai abranger médicos endocrinologistas, nutricionistas, nutrólogos e até enfermeiros e psicólogos.

Trata-se de um processo muito delicado na vida de uma pessoa, por isso, existe todo um preparo que esses profissionais precisam ter para lidar com os obesos.

Por exemplo, o médico endocrinologista é responsável por tratar a obesidade, mas também outras doenças como hipertensão e diabetes, tumores na hipófise, hipotálamo, tireóide, glândulas supra-renais, entre outros.

Também existem profissionais habilitados para realizar a cirurgia bariátrica, muito comum entre pessoas com casos mais graves de obesidade, por meio de exames com aparelho de ultrassom industrial e outros.

Outro profissional importante é o nutricionista, focado na segurança alimentar dietética, ou ainda um nutrólogo.

Este último, por sua vez, é especializado no tratamento de doenças e compulsões alimentares. Diferente no nutricionista, ele é um médico com especialização em nutrologia, mais apto para tratar os problemas da obesidade.

O enfermeiro é um profissional indispensável na rotina de clínicas e hospitais. Ele pode ajudar tanto durante uma cirurgia de vista com equipamentos oftalmológicos quanto em uma cirurgia bariátrica.

O psicólogo também pode colaborar no tratamento e combate à obesidade de muitas pessoas. 

Por meio dele, o paciente identifica causas de seu problema, consegue se livrar de algumas questões que o impedem de emagrecer e compreende melhor sua situação.

Além disso, com a ajuda desse profissional, o obeso consegue lidar melhor com o período pós-cirúrgico de uma bariátrica, seguir dietas passadas por outros profissionais, melhorar a autoestima dentre outras possibilidades.

Como se capacitar para lidar com pessoas obesas

A obesidade é uma doença, e assim como existem especialistas em outras comorbidades, a obesidade também exige especializações.

Cada profissional se capacita e se especializa de acordo com sua área de atuação. Por exemplo, os profissionais de uma farmácia manipulada podem se especializar em fórmula para emagrecer manipulada.

Já os endocrinologistas podem encontrar diversos cursos de capacitação para lidar com a obesidade. 

Alguns deles podem ser feitos on-line, o que facilita ainda mais para esses profissionais que normalmente têm uma carga horária de trabalho puxada.

Os nutrólogos são médicos que também podem se especializar em diversos modos de lidar com compulsões alimentares, podendo até mesmo aprender a fazer um trabalho em conjunto com psicólogos.

As compulsões podem ser desencadeadas por traumas e vivências negativas por parte do paciente. Entender esses fatores, bem como suas causas é muito importante para que os profissionais possam realizar um bom trabalho e combater o problema em questão.

O mesmo se encaixa para enfermeiros e nutricionistas, que podem encontrar cursos de capacitação em diversas modalidades, como o on-line, para dar suporte aos profissionais que estão na linha de frente.

Profissionais indicados para o tratamento da obesidade

Conclusão

Um dos passos para combater a obesidade no Brasil é eliminando o preconceito. Em seguida, é necessário se aprofundar nas causas e nas maneiras que temos hoje para eliminar esse problema, como podemos ver no decorrer do tempo.

As razões para querer, pelo menos, diminuir o índice de pessoas obesas em nada tem a ver com estética, mas, sim com a qualidade de vida e a saúde das pessoas.

É sabido que vivemos em um mundo livre e que as pessoas não devem se apegar a padrões estéticos, mas sim, evitar a gordura em excesso e cuidar da saúde.

Por isso, além de se alimentar bem e estar atento ao controle de peso, as pessoas ou obesas ou com tendências devem procurar os melhores profissionais para vencer o problema.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pôquer entretenimento ou esporte

Pôquer: entretenimento ou esporte?

Saiba o que são doenças crônico degenerativas e obesidade

Saiba o que são doenças crônico degenerativas e obesidade